quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Transformar esse conhecimento em benefícios para a agricultura, por intermédio do controle biológico de pragas, é um desafio constante para a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. O órgão, uma das 41 unidades de pesquisa da Embrapa, faz da natureza seu laboratório, nesse caso procurando uma alternativa aos agrotóxicos, notoriamente danosos não só ao meio ambiente, mas também à saúde de quem os aplica e acaba consumindo-os, residuais nos alimentos.Nesse caminho, os desafios são vários e passam, muitas vezes, por questões culturais. O imediatismo é um entrave. “O agricultor, aplicando o agrotóxico, em meia hora vê o inseto morto. Com o controle biológico, isso pode demorar até dois dias”, explica a AmbienteBrasil o pesquisador Francisco Guilherme Schmidt, da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.Ele ressalta, contudo, que o resultado na contenção dos danos à lavoura é rápido, ainda que menos visível. “A bactéria utilizada no controle biológico vai colonizar o aparelho digestivo da lagarta e ela vai parar de comer”. Ou seja, a praga deixa de causar prejuízos logo, mas demora um pouco mais a morrer.Outro desafio é que os agrotóxicos têm, de modo geral, maior potencial de combate às pragas do que os predadores naturais. Em termos simples, o que mata a lagarta do milho pode não matar a da soja, o que não deixa de ser vantajoso para o meio ambiente. “O produto biológico tem um espectro mais seletivo, por isso é menos impactante do que o produto químico”, diz Francisco Guilherme.Um outro desafio é fazer a produção dos inseticidas biológicos em escala. Além do bom desempenho no campo, o produto deve ter durabilidade em prateleira e não requerer muitos cuidados no acondicionamento – não precisar ficar em geladeira, por exemplo.De qualquer forma, existem restrições. “O agricultor tem que ser mais objetivo na programação dele, aplicar de imediato o produto e não guardá-lo, pois sua vida útil é menor”, explica Francisco Guilherme.Tais dificuldades vêm sendo transpostas, para alívio do meio ambiente. Inseticidas feitos a partir da bactériaBacillus thuringienses israelensis (Bti) já são vendidos normalmente. Matam larvas do mosquito transmissor da dengue e da febre amarela (Aedes aegypti) e dos chamados borrachudos (Simulium Spp.). Uma boa alternativa já adotada por Prefeituras no combate à dengue, em lugar dos venenos utilizados num passado recente.“A utilização do Bti é recomendada pela Organização Mundial de Saúde”, diz o portal da Bthek Biotecnologia, que desenvolveu a tecnologia em parceria com a Embrapa Recursos Genéticos e foi a primeira empresa brasileira a registrar e vender esse tipo de produto.A empresa Bug Agentes Biológicos, com sede no estado de São Paulo, cria e vende o tricograma (Trichogramma pretiosum), uma minúscula vespa parasitóide que coloca seus ovos dentro dos ovos de mariposas e lagartas. “Na prática, ele combate a praga antes mesmo que o agrotóxico o conseguisse”, diz Francisco Guilherme.Os controles biológicos de pragas se dividem em dois ramos – conservativo e inundativo. No primeiro, o ser humano apenas ajuda a manter o equilíbrio no ambiente agrícola de modo que, com manejos adequados, as pragas sejam eliminadas por seus predadores naturais. No inundativo, como o nome sugere, a plantação é cheia de predadores naturais de uma determinada praga – o que se consegue com os inseticidas biológicos.Parte dessas pesquisas ora em andamento na Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia esteve exposta ao público neste final de semana, na 105ª Feira Botânica do Shopping CasaPark, em Brasília (DF).
  Conclui-se que a utilização de agrotóxicos não é recomendável por ser prejudicial a saúde humana por conta disso muitos agricultores atualmente optam por usar seres da própria natureza,como a joaninha e o gafanhoto  para controlar proliferação das pragas.Com isso eles contribuem para o aumento da população  dos seres que melhoram a qualidade das plantas e do solo,o que promove a extinção de insetos que prejudicam o crescimento e a qualidade dos alimentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário